terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Douro interior e Peso da Régua. Região onde são produzidos alguns dos melhores vinhos do Douro

Depois de conhecer o Minho, fui para o interior do Douro para visitar as vinícolas: Croft,  Niepoort e Anselmo Mendes.

Fiquei 3 dias na região, mas cheguei à conclusão que bastariam 2 apenas, pois esta região não tem muitas atrações, fora a beleza extraordinária das plantações de parreiras.

Fiquei hospedado na maior cidade da região, Peso da Régua, no hotel: Casa Nossa Sra. Do Carmo (http://www.casanscarmo.com/PT/Default.aspx), por 85 euros por dia, com café incluído. O hotel era confortável, o pessoal atencioso, mas ficava numa região distante do centro e de acesso complicado.

Peso da Régua fica no centro da região demarcada do Douro e o seu nome vem da junção de 2 localidades: Peso, ficava numa parte mais alta e era a povoação original e Régua, correspondente da parte baixa, junto ao rio.

Peso da Régua foi um grande centro de distribuição do Vinho do Porto em XIII e continua sendo um importante local de cruzamento de estradas.

Fui conhecer a única atração da cidade, o Museu do Vinho, que conta a história do vinho da região e tem ali, um exemplar do barco que antigamente transportava o vinho até Gaia, o Lamego.

Seguindo a sugestão do recepcionista do hotel , fomos jantar no topo da cidade, no restaurante  Varandas da Régua, com vista para um belo por do sol. O dono é o Sr. Fernando  muito simpático e falante.

Pedimos alheiras caseiras e Lulas grelhadas na chapa com batatas cozidas, muito bem feitas.

Na volta do restaurante, os 2 GPS  do nosso carro se perderam e nos levaram à um beco, em que o carro não passava. Felizmente uma moradora da região nos ajudou a manobrar e indicou a direção do hotel.

Fui também visitar a cidade de Lamego, para ver a sua capela de Nossa Sra. dos Remédios, construída em 1.391, dedicada a São Estevão, que tornou-se um centro de peregrinação.

Para chegar ao topo ou vai-se de carro ou é necessário subir uma escadaria dupla, com 686 degraus, semelhante à de Braga.

O melhor que existe na região são as vistas do rio Douro, com seus degraus (socalcos) e muros de pedra, construídos à mão, onde são plantadas as parreiras.

Um dos restaurantes mais badalados do Douro fica na sua margem, próximo à cidade de Pinhão, o DOC. Ele tem oferece uma bela vista do rio.

Quando passamos por lá, ele estava fechado para um grupo,  e não pudemos almoçar como desejávamos, mas deu para ver que os preços ali são salgados e sua cozinha moderna.

Resolvemos então almoçar em Pinhão, no Hotel Vintage House, à beira do Douro. Um belíssimo local!

Aguardamos a mesa deitados em redes entre palmeiras.

Fomos presenteados com uma entrada de camarões empanados muito gostosa.

Os pratos  que pedimos foram:

Bacalhau com cebola roxa e mousse de grão de bico, compota de azeitona e molho de caldeirada

Bochecha de porco preto, confitada com purê de feijão e molho de feijoada.

Acompanhou os pratos, o espumante Raposeira, Blanc de Noirs Bruto, que estava delicioso, assim como a comida!

Além do ambiente agradável e uma bela vista do Douro, os pratos e o serviço estavam divinos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A vinícola espanhola beronia e seus vinhos

No século III A.C. a região espanhola, hoje chamada de Rioja, era habitada pelos Berones, povo guerreiro de origem celta, que se dedicava à ...